Mãe e filho - Esquete

(Na sala de jantar, a mãe está pondo a mesa. Entra o filho.)

FILHO — Mãe, eu precisava falar...

MÃE — Ô, meu filho! Quer comer alguma coisa?

FILHO — Mãe, eu precisava falar uma coisa...

MÃE — Você não tá com fome? Até essa hora na rua, aposto que só almoçou.

FILHO — Mãe, eu queria falar uma coisa pra você...

MÃE — Já, já, nós vamos jantar. Daqui a pouco seu pai chega. Mas se você quiser, eu preparo um lanchinho pra você.

FILHO — Mãe, o que eu tenho pra te falar é importante...

MÃE — Então, o que você quer: pão com salame, ou umas torradinhas?

FILHO (gritando) — Mãe! Por favor, me ouve! Eu preciso falar uma coisa importante pra você!

MÃE — O que é menino? Tá gritando por quê? Não sabe falar com educação?

FILHO — Eu tomei uma decisão, mãe.

MÃE — Ah, eu já sei.

FILHO — Sabe?!

MÃE — Sei, sim. Olha, meu filho, tem horas na vida da gente que é assim mesmo. A gente fica em dúvida...

FILHO — Puxa, mãe, nunca pensei que você fosse...

MÃE — A gente não sabe o que fazer...

FILHO — ...me entender tão bem!

MÃE — Mãe sempre entende os filhos. A gente sempre sabe quando um filho está com problemas...

FILHO — Ainda bem que você me entende...

MÃE — Precisa tomar decisões...

FILHO — Assim, fica mais fácil contar pro pai.

MÃE — Ah, mas eu já contei!

FILHO — Contou?! Como assim, contou?! Eu nem tinha falado nada pra você ainda...

MÃE — Ora, meu filho. Eu te falei que eu já sabia de tudo!

FILHO — E precisava contar pro pai?

MÃE — Deixa de bobagem, meu filho. Uma coisa à toa dessas...

FILHO — À toa?! Mas...

MÃE — Eu sei que pra você é um fato importante, eu também já tive a sua idade.

FILHO — E o pai, o que ele disse?

MÃE — Pra ele tá tudo bem.

FILHO — Tudo bem?! Tem certeza, mãe?

MÃE — Claro, filho! Seu pai não é nenhum bicho-papão!

FILHO — Então tá, mãe. Já que tá todo mundo sabendo, a gente pode combinar de fazer outra coisa, já que amanhã nós não vamos mais pra Piracicaba.

MÃE — Como não vamos mais pra Piracicaba?!

FILHO — Ué! Você não disse que tá tudo certo?

MÃE — Sim, tá tudo certo você trazer sua namoradinha aqui em casa pra gente conhecê-la.

FILHO — O quê? Minha namoradinha?

MÃE — Ela é de Piracicaba? Não sabia...

FILHO — Mãe, eu não vou trazer minha namorada aqui em casa, não! O que eu tinha pra falar...

MÃE — Ah, não vai trazer mais não? Que pena! Eu queria tanto conhecê-la.

FILHO — É que eu não vou mais pra Piracicaba amanhã...

MÃE — Mas ela é de Piracicaba? Você nunca me disse...

FILHO — Eu não vou mais fazer Engenharia Agronômica.

MÃE — Ah, ela faz Engenharia? Que bom, né? Assim, vocês vão poder estudar juntos...

FILHO — Mãe! Eu não vou mais pra Piracicaba fazer Engenharia Agronômica.

MÃE — Em que ano ela está? Achei que ela fosse mais nova que você.

FILHO — Mãe! Me ouve!

MÃE — Tá bom, menino. O que é que você quer?

FILHO — Mãe, eu, entendeu? (gritando) Eu não vou mais fazer Engenharia Agronômica em Piracicaba!

MÃE — E sua namorada vai?

FILHO — Mãe, escuta: (apontando para si) eu não vou mais estudar Engenharia Agronômica em Piracicaba. Nem eu, nem minha namorada, nem ninguém!

MÃE — Ah, mas amanhã você vai pra Piracicaba?

FILHO — Mãe, eu não vou mais pra Piracicaba, nem hoje, nem amanhã, nem (gritando) nunca!

MÃE — Que é isso, menino?! Foi essa a educação que eu te dei? O que a sua namorada vai pensar?

FILHO — Mãe, (gritando) eu não tenho namorada!